Chegou o dia! Vimos, “pela primeira vez na história deste País”, um ex-presidente da República Federativa do Brasil preso pela PF. Às 18:45h, do dia 07/04/2018, o fato finalmente ocorreu. O crepúsculo do céu de Goiânia anunciava o ocorrido, num final de tarde com paisagem cinematográfica.

Ficam as reflexões, tão necessárias para o momento histórico.

A primeira reflexão é: temos algo a comemorar? A minha melhor responsa: sim e não.

SIM porque, temos estampado nas páginas dos jornais, o melhor dos EXEMPLOS para esta, e para as próximas gerações de Brasileiros, que “não importa quão alto você esteja, a lei ainda está acima”, parafraseando o “eminente” Juiz Sergio Moro (nada como umas aulas de STF para aprender um pouco mais de português, mas também um pouco mais de desfaçatez, infelizmente).

Sim, porque vimos indo para a cadeia um cidadão que foi julgado e condenado após cometer um dos piores crimes, a corrupção. Por um acaso este cidadão (que nem merece ser mais chamado de cidadão Brasileiro), foi mandatário do poder executivo do Brasil. Simples assim, “mimimi” vermelho a parte. Ter um EXEMPLO desta magnitude na capa dos jornais de hoje é fundamental, porque o EXEMPLO não é a melhor forma de educar uma criança e uma nação. É a ÚNICA!

A corrupção é a “arma química” mais hedionda produzida pela perversidade da mente humana porque flagela, oprime e MATA milhares de irmãos por anos a fio, devagar, com requintes máximos de crueldade. Basta ir nas escolas e nos hospitais públicos para constatar.

Entretanto, a resposta para a pergunta é também NÃO! Triste de um povo que vê um homem que teve destaque no passado recente como liderança máxima da sua nação, indo para a cadeia. Mas, mais triste ainda, seria paradoxalmente, este mesmo povo não vê-lo não ir para a cadeia e continuar zombando da justiça e incitando crimes de invasão urbana/rural (dentre outros) como limpidamente fez ontem no seu último discurso antes da prisão. Infelizmente, o fato dá a exata dimensão da podridão em que estamos metidos. Fomos liderados por um homem que é capaz de transformar o velório da esposa e um “casual” ato ecumênico em função da falecida, em um palanque odioso.

Mas, olhemos para frente! A justiça há de saber lidar com o demente hediondo que agora encarcera. Vamos nos ater ao que o fato pode nos importar, importar ao nosso negócio.

Para tanto, a primeira coisa a ressaltar é do ponto de vista de mercado. A prisão reforça a solidez das Instituições Brasileiras e o Estado Democrático de Direito. E isto é um bálsamo para os empreendedores nacionais e internacionais. Mais um pouco de “vento de cauda” para a nossa convalescente economia. Portanto, o fato é muito positivo no médio e longo prazo, para a sua Fazenda.

No curto prazo, nada que mude os fundamentos de um mercado que luta para escoar uma produção de carne aumentada, mas que está apresentando uma resistência muito grande, inclusive no final de safra de capim. Esta resistência contra quedas de preços, deve continuar. Os pilares dela são: o aquecimento dos grãos do Brasil; o ajuste de produção pelo qual passam as carnes concorrentes; a generosa safra de chuvas e a consequente extensa safra de capim (atrasando o confinamento de primeiro giro); a competitividade/desempenho de nossas exportações de carne; a inundação de dinheiro na economia, promovida pela indecente (e quase indecifrável) corrida eleitoral deste ano (tal como me ensinou a Lygia Pimentel);  a maior taxa de prenhez que está sendo confirmada em 2018. Mas, não se esqueça da regra de ouro: final de safra de capim, deve ser um evento sempre respeitado, ainda mais em um ano de turbulências. Opte sempre por transferir o risco de preços da produção e dos insumos. O elenco de pilares acima, projeta o cenário para o segundo semestre positivo, portanto.

Por fim, a mais importante ligação entre a prisão deste cidadão Brasileiro (?) e a sua fazenda não tem a ver com o mercado. Aliás, não tem a ver somente com a sua Fazenda. Tem a ver com a condução da sua vida… tem a ver com pessoas. Mas como “negócios” são “pessoas”, a sua Fazenda tem uma grande oportunidade pela frente!

Explicando melhor: O EXEMPLO do histórico fato vai se concretizar em ATITUDES. Ou melhor, deveria desaguar em atitudes… Ter uma onda de atitudes honestas nesta próxima segunda-feira não é algo que deve te dar muito orgulho, afinal de contas, você está “sensibilizado” para o tema.

O maior dos desafios (nos negócios, na família e na vida), é transformar atitudes em comportamentos, como me ensinou o grande amigo Paulo Emílio Franco Prado.

Repetir uma atitude honesta, sem ter que se “autopoliciar”. Este é o ponto! Estender indefinidamente na sua vida e na vida de seus colaboradores, esta mudança de atitude, permeando o seu empreendimento para sempre, é realmente o melhor legado que a prisão deste cidadão Brasileiro (?) pode nos entregar.

Case continuemos a passar por ocasiões convidativas à ilicitude (tal como a abordagem isolada de guarda na estrada ou o uso indevido da vaga de idosos no supermercado), como se elas fossem “normais”, não teremos absorvido a lição. E quem não absorve a lição, volta a enfrenta-la, até que a difícil tarefa da evolução se transforme em realidade na sua consciência.

Qual é O COMPORTAMENTO que rege sua Fazenda e seus colaboradores? O que você tem feito, ou pode fazer para ter um COMPORTAMENTO MELHOR E SOBRETUDO MAIS LÍCITO, difundido em toda a sua organização? A oportunidade está aí! Poucos a aproveitarão!

Grato, Rodrigo Albuquerque